Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘natalie portman’

Na ausência de Kate Beckinsale e Anne Hathaway, essas foram as mulheres mais bonitas da festa do Oscar, na minha opinião:

Jessica Chastain

.

 Natalie Portman

.

Penélope Cruz

.

 Emma Stone

.

Tina Fey

.

 

as irmãs Kate e Rooney Mara
Anúncios

Read Full Post »

E foi quase tudo como previsto na 84ª cerimônia de entrega dos prêmios da Academia de Hollywood (sem querer me gabar, mas já me gabando, acertei 20 das 24 categorias – o que pode ser um grande sinal da previsibilidade da noite). Tirando uma ou outra surpresa (se é que dá pra chamar de surpresa uma vitória de Meryl Streep), a noite foi dominada por um clima de nostalgia e homenagem aos tempos áureos do cinema, desde as garotas servindo pipoca nos intervalos, passando pelo número musical do Cirque du Soleil e culminando na vitória do filme mudo e preto-e-branco (e francês) “O Artista” (além dos diversos prêmios que “A Invenção de Hugo Cabret” levou).  As inserções com grandes astros falando dos filmes que os emocionaram e tentando explicar o que faz um filme ser bom também foi bem legal, e a festa foi mais enxuta que o normal, com os mesmos apresentadores (quase todos muito bem escolhidos e bastante à vontade) entregando mais de um prêmio por vez. Destaque entre os apresentadores foi Emma Stone, que fingiu com muita naturalidade estar deslumbrada com  o fato de estar no palco do Oscar e foi bem acompanhada por um (dessa vez) discreto Ben Stiller – teve gente que até achou que ela estivesse sob efeito de substâncias, digamos, tóxicas.

.

Já Billy Crystal mandou bem em sua função como mestre-de-cerimônias (pela nona vez), com um divertido clipe inicial em que interagiu com alguns dos filmes indicados, seguido pela sua tradicional  musiquinha citando todos os indicados a melhor filme (“It´s a wonderful night for Oscar / Oscar, Oscar …”) . E embora ele não seja ácido como Ricky Gervais, e nem tão engraçado, as inserções que ele fez em alguns momentos da noite tiveram graus variados de graça e em geral arrancaram risadas do público.

.

Como sempre, alguns astros e estrelas acertaram no figurino e outros erraram. A mais bela da noite, pelo menos pra mim, foi Jessica Chastain, seguida de perto pela “nova mamãe” Natalie Portman (vejam a seguir um post exclusivo com as belas da noite).

.

Estes foram os ganhadores do Oscar 2012:

.

MELHOR FILME

MELHOR FIGURINO

MELHOR TRILHA SONORA

O Artista

.

.

MELHOR ATOR:

Jean Dujardin (O Artista)

.

MELHOR DIRETOR:

Michel Hazanavicius (O Artista)

.

MELHOR ATRIZ:

Meryl Streep (A Dama de Ferro)

.

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Octavia Spencer (Histórias Cruzadas)

.

.

MELHOR ATOR COADJUVANTE:

Christopher Plummer (Toda Forma de Amor)

.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Os Descendentes – Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash

.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

Meia-Noite em Paris – Woody Allen

.

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO:

Rango

.

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Irã, “A Separação”

.

MELHOR FOTOGRAFIA

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

MELHOR EDIÇÃO DE SOM

MELHOR MIXAGEM DE SOM

MELHORES EFEITOS VISUAIS

A Invenção de Hugo Cabret

.

MELHOR MONTAGEM

Millenium – Os Homens Que Não Amavam as Mulheres

.

MELHOR MAQUIAGEM

A Dama de Ferro (The Iron Lady)

.

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

“Man or Muppet” (OS MUPPETS) – Música e Letras de Bret McKenzie

.

MELHOR DOCUMENTÁRIO – LONGA-METRAGEM:

Undefeated

.

MELHOR DOCUMENTÁRIO – CURTA-METRAGEM:

Saving Face

.

MELHOR CURTA DE ANIMAÇÃO

The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore

.

MELHOR CURTA-METRAGEM

The Shore

Read Full Post »

Os trailers dos blockbusters do verão americano começam a aparecer. Pra começar, “Capitão América: o Primeiro Vingador”:

Notem o impressionante efeito à la Benjamin Button que faz Chris Evans ficar mirradinho no início do filme e o calibre do elenco de apoio (Tommy Lee Jones, Stanley Tucci, Dominic Cooper, Hugo Weaving e a bela Hailey Atwell – e olha que o Samuel L. Jackson nem aparece ainda).

 

A seguir, “Thor”:

Acompanhando o protagonista Chris Hemworth no filme dirigido por Kenneth Branagh estão ninguém menos que os ganhadores do Oscar Natalie Portman e Anthony Hopkins e a gracinha da Kat Dennings (“Nick & Norah, uma Noite de Amor e Música”) – e Samuel L. Jackson de novo.

 

Finalmente, o “Lanterna Verde”:

 

E aí, qual trailer é o mais legal? Qual dos filmes de super-heróis vocês mais querem ver? Eu particularmente to bem ansioso pelo do Lanterna, que sempre foi o meu herói preferido. Mas os outros filmes parecem bem promissores também. E ainda tem “X-Men First Class”.

 

Enquanto pensam, que tal irem pra um lado mais intelectual com o novo Woody Allen, dessa vez filmado em Paris?

Esse sim promete, não? E o elenco, nada mal, hein? Rachel McAdams, Owen Wilson, Marion Cotillard, Michael Sheen, Carla Bruni, e ainda tem a Kathy Bates e o Adrien Brody que não aparecem nesse trailer. É, acho que tô um pouquinho mais ansioso por “Midnight In Paris” que pelo “Lanterna Verde”. Mas só um pouquinho.

Read Full Post »

Fazia tempo que eu não comentava as novidades cinematográficas da semana, mesmo porque eu não tenho tido muito tempo pra ir ao cinema. Porém, não podia deixar passar batida a estreia mundial de um dos filmes mais aguardados (pelo menos pra mim) do ano, do qual eu já falei bastante aqui: “Sucker Punch – Mundo Surreal”, do diretor Zack Snyder (“300”, “Madrugada dos Mortos”, “Watchmen”, “A Lenda dos Guardiões” e o próximo “Superman”). Com um visual único, uma mistura de futurismo com coisas do passado, o filme conta a história de uma garota (Emily Browning) que é internada em um manicômio pelo padrasto e cria um mundo fictício pra tentar escapar, com a ajuda de mais quatro meninas (Jena Malone, Vanessa Hudgens, Abbie Cornish e Jamie Chung). O elenco ainda tem Jon Hamm (o Don Draper de “Mad Men”), Scott Glenn e a sempre bela Carla Gugino (atualmente arrasando em “Californication”). Quem fuçar o blog vai encontrar diversos posteres do filme – e o trailer segue abaixo. Obs.: Aliás, quem quiser concorrer ao DVD duplo do filme “300”, é só deixar um comentário em qualquer texto de março (mais informações aqui).

 

Já que estou aqui, vou falar um pouco das outras novidades interessantes que chegaram aos cinemas desde a semana passada. Pra começar, o nacional “VIPs”, com mais uma atuação sensacional de Wagner Moura (melhor ator no Festival do Rio 2010), dessa vez no papel do farsante Marcelo da Rocha, aquele que ficou conhecido ao fingir ser o filho do dono da Gol (dentre outros golpes) e que hoje está preso – uma espécie de Frank Abagnale Jr. brazuca (o personagem de Leonardo DiCaprio em “Prenda-Me Se For Capaz”).

 

“Sem Limites” (Limitless) parece bem bacana. Bradley Cooper (um dos atores em ascenção da atualidade depois de “Se Beber Não Case” e “Esquadrão Classe A”) é um escritor em crise criativa que toma uma droga inovadora pra dar um “boost” no cérebro e acaba se tornando super-inteligente, super-ágil, super-forte, enfim, super-tudo. O elenco ainda tem Robert De Niro, Anna Faris e Abbie Cornish (que também está em “Sucker Punch”).

 

Dois dos ganhadores do Oscar deste ano estão com filmes novos – um deles não tão novo assim, na verdade. Da Inglaterra, e com quase dois anos de atraso, vem a nova versão da clássica história de Oscar Wilde “O Retrato de Dorian Gray”, estrelada pelo melhor ator de 2010 Colin Firth e pelo “Príncipe Caspian” Ben Barnes. As críticas não foram muito agradáveis, mas um filme com Firth sempre vale a visita. Já a melhor atriz do ano, Natalie Portman, deixou as sapatilhas de lado pra fazer uma comédia romântica com Ashton Kutcher, “Sexo Sem Compromisso” – ambos são melhores amigos que decidem ter relações sexuais sem envolvimento, “no strings attached” (o título original do filme).

Pros fãs de terror tem a terceira parte da agora franquia “Atividade Paranormal”, dessa vez em Tóquio. Confesso que assisti recentemente o primeiro filme sem nenhuma expectativa e levei bons sustos. O novo certamente não é tão bom, mas se for metade do outro já deve dar alguns arrepios. Pra quem gosta de adrenalina há o novo filme do inglês Jason Statham, talvez o único astro de ação da atualidade – ele está no remake de “Assassino a Preço Fixo” (The Mechanic), remake de um filme que tinha Charles Bronson no papel principal. Donald Sutherland e o ótimo Ben Foster (“Volta por Cima”, “O Mensageiro”) também estão no elenco. Já do cinema europeu vem o aguardado e elogiado “Cópia Fiel”, dirigido pelo iraniano Abbas Kiarostami e estrelado pela francesa Juliette Binoche. Ela é uma dona de galeria que convida um escritor inglês que admira a andar com ela pelas ruas de uma cidadezinha italiana – e o que segue é uma espécie de “Antes do Amanhecer” mais maduro e surpreendente.

Pra encerrar, a outra estreia imperdível dos últimos dias é um filme que também chegou com certo atraso às telas brasileiras. “Não Me Abandone Jamais” (Never Let Me Go) é uma adaptação do livro de Kasuo Ishiguro (“Vestígios do Dia”) e uma mistura de drama, romance e ficção-científica, ou seja, uma combinação das mais peculiares. Com direção de Mark Romanek (mais conhecido por videoclipes) e estrelado por um trio de jovens ingleses talentosíssimos (Carey Mulligan, Keira Knightley e Andrew Garfield), o filme se passa em uma realidade alternativa – é a década de 70, mas uma realidade que não existiu (daí o lado “ficção” da história). Não quero contar muitos detalhes pra não estragar o que pode causar surpresa (e estarrecimento), embora a maioria das críticas ao filme já venha entregando tudo de cara; mas basicamente três crianças vivem em um internato bucólico no interior da Inglaterra e aos poucos vão descobrindo o futuro nada animador que os espera, ao mesmo tempo em que descobrem o amor e a amizade. O filme é lindo, leva a diversos questionamentos éticos, morais e humanos, e Carey deveria ter sido indicada novamente ao Oscar pela atuação como a protagonista (ela foi indicada no ano passado pelo fantástico “Educação”).

Read Full Post »

A nova temporada do “Saturday Night Live” tem sido um tanto irregular, com algumas edições engraçadinhas (Jesse Eisenberg, Dana Carvey) e outras meia-boca (Jim Carrey, Russell Brand), mas nada exatamente excepcional. O melhor episódio do ano até agora foi o do sábado passado, que teve Miley Cyrus como host (ou “astro convidado”). Na verdade o destaque não foi exatamente Miley, embora ela tenha mandado bem no monólogo inicial em que tirou sarro de si mesma e na imitação de Justin Bieber no talk show que é apresentado por ela mesma (feita regularmente pela novata – e ótima – Vanessa Bayer). Mas hilários mesmo foram o sketch que mostrou os Black Eyed Peas que ninguém conhece, Taboo e Apl.de.ap, tentando apresentar um programa próprio sem os onipresentes Will.i.am e Fergie (mais uma aparição boa de Miley) e, principalmente, a abertura do programa com o sempre engraçado Bill Hader  imitando o surtado Charlie Sheen numa conversa com os igualmente problemáticos Christina Aguilera, John Galliano, Muamar Khadafi e Lindsay Lohan. De quebra, os Strokes cantaram duas músicas do novo CD, que chega às lojas este mês.

Segue abaixo o trecho que satiriza Charlie Sheen:

O SNL é um fenômeno da TV americana, no ar há 36 anos, e embora tenha revelado grandes talentos do porte de Bill Murray, Eddie Murphy, Robert Downey Jr. e Will Ferrell (só pra citar alguns), obviamente alterna grandes elencos com turmas menos talentosas. A atual é uma safra boa, mas não excelente. Além do já citado Bill Hader (um dos policiais de “Superbad”), o elenco tem também o ótimo Jason Sudeikis (“30 Rock”), a bela e versátil Abby Elliot e os engraçados mas um tanto cansativos Fred Armisen e Kristen Wiig – e novatos promissores como Taran Killiam (que nos últimos três episódios apareceu em praticamente todos os quadros). O grande destaque, porém, ainda é Andy Samberg, especialmente com os vídeos que ele costuma fazer pro quadro “An SNL Digital Short”. Foi ali que surgiram pérolas como os clipes “Dick in a Box” (co-estrelado por Justin Timberlake), “Jizz in My Pants”, “Like a Boss” (com Seth Rogen) e o “rap da Natalie Portman”. Os últimos dois clipes foram hilários e seguem abaixo, o primeiro co-estrelado pela Rihanna e o segundo pela Nicky Minaj (com participação especial do diretor John Waters). 



P.S.: Nunca viu a Natalie Portman xingando e batendo em todo mundo? Check this out, motherf@#$%!:

Read Full Post »

Foi uma noite divertida e bem comandada por Anne Hathaway e James Franco, que foram suficientemente glamurosos (Anne trocou de vestido pelo menos umas seis vezes) e engraçadinhos, mas sem exageros (exceto pela entrada de Franco vestido de Marylin Monroe). Franco, aliás, repetiu Ricky Gervais (o polêmico apresentador dos Golden Globes) em uma piadinha um pouco mais sutil sobre Charlie Sheen, enquanto Jude Law fez o mesmo ao brincar com o passado negro de seu parceiro em “Sherlock Holmes”, Robert Downey Jr. E o momento mais hilário foi a montagem que transformou diálogos de “Harry Potter”, “Eclipse”, “Toy Story 3” e “A Rede Social” em números musicais (seguindo a onda que aparece toda hora na internet).

(Anne Hathaway, de smoking, no número musical em que mostrou seus ótimos dotes vocais e atacou Hugh Jackman por ter dado o cano nela)

 

Quanto aos ganhadores em si, quase não houve surpresas. “O Discurso do Rei” levou os prêmios principais da noite, inclusive o de diretor para o inglês Tom Hooper (um tanto injusto, na minha opinião, embora o filme seja mesmo ótimo), enquantos os dois reais melhores filmes do ano tiveram que se contentar com prêmios técnicos – “A Rede Social” levou três, incluindo melhor roteiro original para Aaron Sorkin, e “A Origem” ficou com quatro. Já entre os atores, todos os favoritos levaram os seus prêmios, merecidamente: Colin Firth (foto), Natalie Portman, Christian Bale e Melissa Leo.

 

(James Franco e Anne Hathaway encerram a festa, rodeados pelos ganhadores e pelas crianças que cantaram “Somewhere Over the Rainbow”)

 

Confiram abaixo a lista completa com todos os ganhadores:

 

Melhor filme: O Discurso do Rei

Melhor diretor: Tom Hooper – O Discurso do Rei

Melhor ator: Colin Firth – O Discurso do Rei

Melhor atriz: Natalie Portman – Cisne Negro

Melhor ator coadjuvante: Christian Bale – O Vencedor

Melhor atriz coadjuvante: Melissa Leo – O Vencedor

Melhor roteiro original: O Discurso do Rei

Melhor roteiro adaptado: A Rede Social

Melhor longa animado: Toy Story 3

Melhor filme em lingua estrangeira: Em um Mundo Melhor (Dinamarca)

Melhor direção de arte: Alice no País das Maravilhas

Melhor fotografia: A Origem

Melhores efeitos visuais: A Origem

Melhor figurino: Alice no País das Maravilhas

Melhor montagem: A Rede Social

Melhor maquiagem: O Lobisomem

Melhor trilha sonora: Trent Reznor e Atticus Ross – A Rede Social

Melhor canção original: We Belong Together – Toy Story 3

Melhor edição de som: A Origem

Melhor mixagem de som: A Origem

Melhor documentário: Trabalho Interno

Melhor documentário em curta-metragem: Strangers no More

Melhor curta-metragem: God of Love

Melhor animação em curta-metragem: The Lost Thing

Read Full Post »

Comemorando a estreia do filme nos cinemas brasileiros, seguem os últimos posteres.

Read Full Post »

Older Posts »