Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘michael cera’

Mais um vídeo do filme “Scott Pilgrim Vs. The World”, dessa vez contendo cenas inéditas do filme e depoimentos do diretor Edgar Wright e dos atores Michael Cera, Mary Elizabeth Winstead e Jason Schwartzman.

Fonte: Rolling Stone Brasil

Anúncios

Read Full Post »

Saiu hoje em todo lugar (e claro que aqui também) o trailer do novo filme do Michael Cera, “Scott Pilgrim Vs. the World”, dessa vez sob a direção de Edgar Wright, dos ótimos “Todo Mundo Quase Morto” (Shaun of the Dead) e “Chumbo Grosso” (Hot Fuss). Mais uma vez ele faz o garoto ingênuo e gente boa que consegue sabe-se lá como uma namorada gata. Só que ele é obrigado a se transformar em um cara durão quando descobre que tem que derrotar os sete ex-namorados da menina (incluindo UMA ex), todos com superpoderes. Bacana, né? No elenco, a gatíssima Mary Elizabeth Winstead, a indicada ao Oscar Anna Kendrick, e mais Chris Evans, Jason Schwartzman, o “Superman” Brandon Routh e outros.

 

Read Full Post »

Lembram que eu falei lá embaixo (no texto sobre o filme “Ano Um”) que o Michael Cera precisava fazer um papel diferente do que sempre faz pra mostrar um certo “range”? Pois é, tá aqui (calma, vejam o trailer até o fim pra entender).

 

Read Full Post »

Fazia tempo que eu não alugava filmes, então aproveitei este fim-de-semana sem grandes coisas pra fazer e aluguei dois. Os resultados foram totalmente opostos; um dos filmes me decepcionou, o outro superou minhas expectativas (que já eram altas).

 

Eu adoro o Jack Black e me diverti em todos os filmes que ele fez até agora; também gosto muito do Michael Cera, que vem fazendo vários filmes interessantes ultimamente (inclusive um dos filmes de que eu mais gostei nos últimos tempos, “Nick & Norah – Uma Noite de Amor e Música”); e Harold Ramis dispensa comentários, sendo ator, diretor e/ou roteirista de grandes filmes como “Os Caça-Fantasmas”, “Feitiço do Tempo”, “A Máfia no Divã”, “Clube dos Pilantras” e outros. Mas é bem difícil achar alguma coisa que preste no filme que os três fizeram este ano. “Ano Um” (Year One, EUA, 2009, *) traz Black e Cera como dois homens-das-cavernas que são expulsos da tribo depois de Black comer o “fruto proibido”; eles partem então em uma jornada que os leva a conhecer Caim e Abel, Adão e Eva, Abraão e Issac, até irem parar na cidade de Sodoma, dominada pelos romanos. A idéia até poderia ser interessante, mas as piadas são tão fracas e previsíveis que nunca geram mais que um sorrisinho amarelo. Uma pena, pois é elenco é bem bacana (um desperdício de gente como Hank Azaria, Oliver Platt, Olivia Wilde e Paul Rudd). Além disso, tanto Black quanto Cera fazem exatamente o mesmo papel que fazem em todos os filmes, só que desta vez sem muita graça (aliás, Cera precisa arrumar logo um papel diferente dos que costuma fazer, o que Black já fez em filmes como “King Kong” e “O Amor Não Tira Férias”). Um raro filme que eu não recomendo.

 

Por outro lado, “Intrigas de Estado” (State of Play, EUA, 2009, *****)  é fenomenal. Adaptação de uma mini-série inglesa de 2003 que tinha Bill Nighy, James McAvoy e David Morrissey no elenco e dirigido pelo talentoso Kevin McDonald (“O Último Rei da Escócia”), o filme tem o grande Russell Crowe como um jornalista veterano que se junta a uma novata (a sempre ótima e linda Rachel McAdams) para investigar dois assassinatos ocorridos em Washington que podem ou não estar relacionados, e que podem envolver o senador vivido (bem) por Ben Affleck. Helen Mirren, Robin Wright Penn, Jason Bateman e Jeff Daniels completam o super elenco deste thriller que traz temas atuais e interessantes como o duelo entre o jornalismo à moda antiga e o moderno (já que Crowe é um veterano da imprensa escrita enquanto Rachel é a responsável pelo blog do jornal em que ambos trabalham), a ética no jornalismo (o que é mais importante, ser o primeiro a dar uma notícia ou informar a polícia antes de divulgar pistas?), o poder da indústria bélica (no filme o senador vivido por Affleck lidera uma espécie de CPI que investiga uma empresa chamada PointCorp, que financia guerras), a corrupção na política. Tenso, engenhoso, bem interpretado, enfim, um filmaço imperdível!

Read Full Post »

Livros comprados:

– Frenesi Polissilábico (Nick Hornby)
– O Clube do Filme (David Gilmour)
– Nick & Norah – Uma Noite de Amor e Música (Rachel Cohn & David Levithan)
 

Livros lidos:

– Frenesi Polissilábico (Nick Hornby)
– Harry Potter and the Deathly Hallows (J.K.Rowling)
– Leite Derramado (Chico Buarque) – abandonado
– Os Homens que Não Amavam as Mulheres (Stieg Larsson) – não concluído
– O Clube do Filme (David Gilmour)
– Nick & Norah – Uma Noite de Amor e Música (Rachel Cohn & David Levithan)
 

DVDs comprados:

– Crimes e Pecados (Woody Allen)
– Memórias (Woody Allen)
– The Office UK – Série Completa
– Crepúsculo (Catherine Hardwicke)
– 007 Quantum of Solace (Marc Forster)
– Nick & Norah – Uma Noite de Amor e Música (Peter Solett)
– Hellboy 2 (Guillermo Del Toro)
– Matar ou Morrer (Fred Zinemann)
– Sindicato de Ladrões (Elia Kazan)

 

Filmes assistidos:

– Harry Potter e o Enigma do Príncipe (David Yates) – 2 vezes
– Nick & Norah – Uma Noite de Amor e Música (Peter Solett)
– Um Jogo de Vida ou Morte (Kenneth Branagh)
– Harry Potter e a Pedra Filosofal (Chris Columbus)
– Harry Potter e a Câmara Secreta (Chris Columbus)
– Harry Potter e o Prisioneiro de Azkhaban (Alfonso Cuarón)
– Harry Potter e o Cálice de Fogo (Mike Newell)
– Harry Potter e a Ordem da Fênix (David Yates)

 

Séries assistidas:

– Coupling UK – 1ª Temporada Completa

 

Sinto-me na obrigação de começar pelo livro que inspirou a minha volta ao blog, “Frenesi Polissilábico”, do inglês Nick Hornby. Como já disse na introdução, o livro é uma compilação das colunas literárias que ele escreveu para a revista “The Believer”– cada coluna dele não era sobre um livro específico, mas sim algo como eu estou tentando fazer aqui: comentários sobre os diversos livros lidos e/ou comprados no período (a coluna era normalmente mensal) e observações sobre a vida em geral (bastante futebol, no caso dele). Hornby, pra quem não conhece, é autor de grandes sucessos já adaptados para o cinema, como “Alta Fidelidade”, “Um Grande Garoto” e “Febre de Bola”, e outros que ainda existem somente em papel (“Como Ser Legal”, “Slam”e outros). Ele também escreve sobre música (se não me engano tinha uma coluna na Rolling Stone inglesa) e um outro livro dele, “39 Canções”, é uma compilação de textos sobre, obviamente, 39 das canções preferidas dele (foi esse livro, aliás, que me fez descobrir uma das bandas mais bacanas da história, a Teenage Fanclub). Enfim, os textos dele são tão bons que você se diverte mesmo não conhecendo os livros e autores de quem ele fala.

 

Uma coisa que deve ter chamado atenção nas listas acima é a overdose de Harry Potter. Fácil de explicar: antes de ver o filme novo no cinema, revi todos os DVDs anteriores (não o ideal, mas obviamente mais rápido que reler todos os livros). Até aqui o meu preferido ainda era o terceiro, “O Prisioneiro de Azkhaban”, mas nesta “revisão” eu gostei bastante do segundo, “A Câmara Secreta”(que antes era o que eu menos gostava), e principalmente do quinto, “A Ordem da Fênix”, que eu só tinha visto no cinema. Muito legal ver a evolução do elenco jovem e também como o clima vai se tornando cada vez mais sombrio a partir do terceiro filme, até chegar ao sexto, ainda em cartaz, e que pra mim é disparado o melhor da série (aliás, recomendo assistir o filme em salas com tecnologia 3D, já que os primeiros 13 minutos do filme foram rodados especialmente para estas salas, e o efeito é incrível). O diretor David Yates (veterano da TV inglesa que dirigiu o filme anterior e é também responsável pelos próximos) e o roteirista Steve Kloves (que escreveu os roteiros de todos os filmes da série, exceto “Fênix”) conseguiram harmonizar de forma admirável  as duas tendências da trama: de um lado, há os hormônios em ebulição dos adolescentes de Hogwarts (e dá-lhe flertes, climinhas, tensão sexual e ciúme por todos os lados); do outro, a tensão escalante que surge do reaparecimento de Lord Voldemort (embora ele mesmo não apareça, mas sim os seus asseclas, que fazem o diabo por Londres) e da conscientização de Harry de que cabe a ele combater o Mal, sob a orientação de seu mestre Dumbledore. Paralelamente a isso, acompanhamos a jornada de dois personagens que nunca tiveram tanto destaque quanto aqui: Draco Malfoy, escolhido por Voldemort para uma missão secreta dentro de Hogwarts, e Severus Snape, que segue cada vez mais ambíguo ao não revelar ao público se é um vilão disfarçado de mocinho ou o contrário. Ambos os personagens são valorizados por seus atores, já que Alan Rickman mais uma vez dá um show ao dar vida ao melhor personagem de toda a série (e que somente no sétimo livro revelará sua verdadeira face) e Tom Felton mostra ser o melhor dentre todos os jovens atores que começaram a série crianças e agora já são pós-adolescentes.

 

É claro que o filme não é tão bom quanto o livro. Faz tempo, aliás, que eu desisti de esperar fidelidade total de qualquer adaptação de livros (não só Harry Potter, mas qualquer livro). Afinal, cada filme nada mais é que a visão que o seu diretor e o seu roteirista tem de determinado livro, e não uma transposição exata do conteúdo deste. Além disso, é óbvio que não dá pra se colocar no filme tudo que está em um livro. Então qualquer pessoa que vá assistir uma adaptação esperando ver o seu livro preferido replicado nas telas exatamente como leu estará fadada à decepção. É por isso que um filme adaptado de um livro, pra ser devidamente apreciado, tem que ser encarado como uma obra completamente diferente da que o originou. E isso fica plenamente demonstrado em outra adaptação literária que eu assisti esses dias. O livro se chama “Como Perder Amigos e Alienar Pessoas”(How to Lose Friends and Alienate People), escrito pelo jornalista inglês Toby Young no início da década e lançado no Brasil há uns quatro anos. Conta de forma sarcástica e divertidíssima a jornada (real) dele no ano que passou em Nova York trabalhando como repórter de celebridades na badalada revista Vanity Fair. O detalhe é que em Londres ele era editor de uma revista que tirava sarro do mundinho VIP; então quando passa a fazer exatamente o oposto do que fazia ele acaba cometendo uma gafe atrás da outra e se metendo em várias confusões, até que finalmente toma jeito, pra no fim arruinar tudo novamente e ser execrado de volta para a Inglaterra.

 

Eu li este livro tempos atrás e até hoje é um dos meus preferidos. Da forma como foi escrito, parecia “infilmável”, como o próprio diretor do filme confessa no “making of” que vem como extra no DVD. Mas o fato é que um roteiro foi escrito e o filme foi feito. E quem for assisti-lo com o pensamento de que deve ser fidelíssimo ao livro certamente odiará o filme. Porém, se assistir tendo em mente que um livro é uma coisa e um filme é outra diferente, pode se divertir bastante. O título em português é bisonho: “Um Louco Apaixonado”(o livro foi lançado por aqui com a tradução literal do título original, mas algum gênio do marketing achou que o filme não “colaria” com o mesmo título – bem feito, porque com este nome genérico de Sessão da Tarde o filme passou batido nos cinemas). Tem um elenco de peso: o hilário Simon Pegg no papel principal, mais Kirsten Dunst, Jeff Bridges, Gillian Anderson e Megan Fox. E é uma agradável comédia quase-romântica com alguns clichês básicos e um senso de humor bastante sarcástico, tirando um certo sarro das celebridades hollywoodianas (não tanto quando o livro faz, mas já está valendo). Se fosse dar notas, daria cinco estrelas pro livro e três pro filme.

 

Ainda falando em adaptações, é a vez de “Nick & Norah – Uma Noite de Amor e Música”. Mais um filme que inexplicavelmente foi lançado diretamente em DVD por aqui, é baseado no livro publicado com o mesmo título por aqui e que no original se chama “Nick & Norah´s Infinite Playlist”. Teoricamente trata-se de uma obra para adolescentes, mas é possível que alguns pais não concordem muito com isso (já que há muitas menções a sexo, alguns palavrões, os colegas de banda do protagonista são gays). De qualquer forma, tanto filme quanto livro são fantásticos. Neste caso eu vi o filme antes de ler o livro, então a visão se torna um pouco diferente. É a história de dois adolescentes que se conhecem em um show de rock e passam por várias aventuras durante uma noite em Manhattan: Nick é baixista em uma banda e acabou de levar um fora da namorada; Norah é uma colega de classe da ex, que não o conhece pessoalmente, mas admira o gosto musical dele (com base nos CDs que ele gravava para a ex). Aos poucos, durante aquela noite, eles vão descobrindo as (várias) coisas que tem em comum. No livro, cada capítulo é narrado do ponto de vista de um deles, o que por si só já é bem interessante, ainda que a história não fosse boa (e é). No filme isso não acontece, mas mesmo assim as características de cada um são bem nítidas a cada cena. E tem a grande vantagem de ter os protagonistas perfeitos para os papéis: Michael Cera (dos ótimos “Juno” e “Superbad – É Hoje”) e Kat Dennings. RECOMENDO (isso mesmo, em letras garrafais)!!!

 

Mudando um pouco de tema (mas nem tanto), outro livro muito bacana que eu acabei de ler é “O Clube do Filme”, de David Gilmour. O livro já tinha chamado a minha atenção nas livrarias, está há algum tempo nas listas de mais vendidos e uma amiga gostou tanto que ia me emprestar, mas eu não agüentei esperar e comprei de uma vez. O autor é crítico de cinema, fez documentários e outros trabalhos na TV, e o livro é basicamente sobre o relacionamento dele com o filho adolescente. Mais especificamente, é sobre um período de três anos em que pai e filho fizeram um acordo bem inusitado: o garoto largaria a escola com o aval do pai (já que estava indo muito mal e não parecia ter qualquer interesse por nada relativo aos estudos), mas se comprometeria a assistir com o pai pelo menos três filmes por semana. Foi um risco muito grande tomado pelo pai, e ele passa quase que o período todo em dúvida se aquilo havia sido ou não uma boa idéia. Mas eles assistem muitos filmes (de todos os tipos, de clássicos a podreiras, de cultsfranceses a blockbustersamericanos) e muitas outras coisas acontecem enquanto isso. Vale muito a pena ler, seja pelo tocante relacionamento do pai com o filho (e com a ex-mulher, a esposa atual, as namoradas do filho), seja como uma série de comentários nunca pedantes ou pretensiosos sobre filmes de toda espécie. E, pra completar, o livro ainda serviu pra me lembrar que eu sou um cinéfilo de araque, já que não vi muitos filmes ditos “fundamentais” (daí alguns dos DVDs que comprei recentemente).

 

Bom, pra não parecer que só falo coisas boas sobre o que leio e assisto, vou cometer uma heresia: preciso confessar que me esforcei muito, mas não consegui ler até o fim o novo livro de Chico Buarque, “Leite Derramado”. OK, ele escreve no ritmo e na linguagem de seu narrador, um velho à beira da morte, mas mesmo assim o livro é repetitivo demais e um tanto chato. Tá, ele é um compositor e músico genial, e os livros anteriores dele (que eu nunca li) devem ser mesmo obras-primas. E eu sei que pode ser uma blasfêmia o que estou dizendo, mas o que eu posso fazer? Achei “Leite Derramado” um porre. Pronto, falei.

 

Até a próxima.

 

P.S.: Já estava quase esquecendo: finalmente terminei de ler o sétimo Harry Potter. Eu li o livro quase inteiro quando ele foi lançado, mas parei faltando umas 90 páginas porque não queria que terminasse. Mas depois de ver os seis filmes em seguida, não deu pra esperar (mesmo porque se eu não lesse logo, alguém me contaria o final). Então criei coragem e li. Pra não me estender muito (e porque já falei muito de HP aqui), só vou dizer três palavras: triste, angustiante e redentor. E o Snape é o cara.

 

P.S.2: Quanto ao filme “Um Jogo de Vida ou Morte” e à série “Coupling”, meus projetos teatrais atuais justificam ambos. “Game, Set & Match”, baseado no primeiro, encerra sua temporada neste domingo; já a peça baseada na segunda estreará em breve.

Read Full Post »