Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘john logan’

Continuando, vamos ver agora os diretores e roteiristas.

.

MELHOR DIRETOR:

– Michel Hazanavicius (O Artista)

– Alexander Payne (Os Descendentes)

– Martin Scorsese (Hugo)

– Woody Allen (Meia-Noite em Paris)

– Terrence Malick (A Árvore da Vida)

.

Ano passado aconteceu algo interessante nessa categoria: quatro diretores já bem conceituados e conhecidos (David Fincher, Darren Aronofski, David O. Russell e os irmãos Coen) enfrentavam um novato em Hollywood, ainda que veterano em seu país natal, a Inglaterra (Tom Hooper). Resultado: ganhou o novato. Esse ano a mesma coisa pode se repetir. Quatro veteranos e consagrados diretores (Martin Scorsese, Woody Allen, Terrence Malick e Alexander Payne) enfrentam um novato em Hollywood, ainda que veterano em sua terra natal, a França (Michel Hazanavicius). E o “novato” tem grandes chances de levar novamente. O francês foi corajoso ao investir em um filme difícil (mudo, preto-e-branco, ambientado nos anos 20, com cenas musicais) e vem se dando muito bem – e não será surpreendente se sua direção também for premiada. Ainda assim, acho que Scorsese merece mais, por dar uma aula de cinema e de como se deve usar o 3D em “Hugo”. Aliás, quem não viu o filme no cinema não sabe o que está perdendo – nunca o 3D funcionou tão bem pra colocar o público dentro do filme. Payne corre por fora e tem chances principalmente se a Academia decidir premiar “Os Descendentes” como melhor filme – pouco provável, mas não impossível. Já Malick vai se contentar com a indicação por sua pretensão (e se sentir estimulado a trabalhar mais, já que ele fez apenas 4 filmes em mais de vinte anos mas parece que agora já tem 2 filmes engatilhados pros próximos dois anos) e Allen deve levar o prêmio de roteiro.

.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Os Descendentes – Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash

Hugo – John Logan

Tudo pelo Poder (The Ides of March) – George Clooney, Grant Heslov e Beau Willimon

Moneyball – Steven Zaillian, Aaron Sorkin e Stan Chervin

O Espião que Sabia Demais (Tinker Tailor Soldier Spy) – Bridget O’Connor e Peter Straughan

.

Aaron Sorkin, criador da melhor série de TV de todos os tempos (“The West Wing”), pode realizar o feito de ganhar o Oscar de roteiro adaptado dois anos seguidos – levou o prêmio ano passado por “A Rede Social” e pode ganhar de novo esse ano pela adaptação que fez do antes considerado infilmável “Moneyball”. Teve para isso a ajuda de Steven Zaillian, outro veterano e também ex-ganhador do Oscar (“Traffic”, “Syriana”). Mas eles enfrentam um páreo duro, já que é muito provável que a Academia decida dar um prêmio de consolação para “Os Descendentes” (cuja adaptação foi feita, dentre outros, pelo ator que faz o diretor da faculdade da série “Community”) e escolham essa categoria para isso. Correm por fora, todos com chances: “Hugo”, do dramaturgo John Logan (que escreveu a peça “Red”, ganhadora do Tony e que estreia no Brasil no segundo semestre); “Tudo pelo Poder”, adaptação de uma peça da Broadway; e o difícil e complexo “O Espião Que Sabia Demais”, adaptado do livro de John Le Carré.

Faltou aqui a ótima adaptação de “Drive”, que melhorou o livro já bacana de James Sallis e o transformou no melhor filme do ano.

.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

O Artista – Michel Hazanavicius

Missão: Madrinha de Casamento (Bridesmaids) – Annie Mumolo e Kristen Wiig

Margin Call – O Dia Antes do Fim – J.C. Chandor

Midnight in Paris – Woody Allen

A Separação (A Separation) – Asghar Farhadi

.

Essa é uma das categorias mais difíceis do Oscar, porque todos os filmes merecem o prêmio. Menos “O Artista”, talvez, que tem uma história bem simplória e previsível. Mas os outros quatro são fortíssimos candidatos – e isso porque ficaram de fora roteiros incríveis como “Young Adult” (da ganhadora do Oscar por “Juno” Diablo Cody), “50%” (baseado na história real vivida pelo próprio autor e pelo ator Seth Rogen) e “Vencer ou Vencer” (filme estrelado por Paul Giamatti).

Seria bem legal se “Margin Call”, um dos melhores filmes do ano, levasse o único prêmio ao qual foi indicado. Também seria bacana se a irreverência de “Bridesmaids” ou a crueza e verdade de “A Separação” fossem reconhecidas. Mas deve levar mesmo, e merecidamente, o mestre Woody Allen.

Anúncios

Read Full Post »

Essas são as peças indicadas ao Tony ainda em cartaz em Nova York:

 

PEÇAS NOVAS:

“Red”, de John Logan: grande sucesso dos palcos londrinos recém-transferido para Nova York, mostra o pintor abstrato expressionista Mark Rothko lidando com a fama e a riqueza ao ser convidado a pintar murais. Os dois astros da peça foram indicados ao Tony – Alfred Molina (que faz Rothko) na categoria principal e o inglês Ed Redmayne (que faz o assistente do pintor) como coadjuvante.

 – “Time Stands Still”, de Donald Margulies: a história de um casal – a fotógrafa vivida por Laura Linney (indicada como melhor atriz) e o jornalista interpretado por Brian D´Arcy James – que tem que se acostumar com uma vida convencional em Nova York depois de anos cobrindo guerras. O elenco também tem Eric Bogosian e Alicia Silverstone. A peça na verdade já saiu de cartaz, mas acaba de ter sua volta anunciada para o segundo semestre, impulsionada pelas indicações. *** acaba de ser anunciado que a atriz Christina Ricci substituirá Alicia na volta da peça em setembro.

“Next Fall”, de Geoffrey Nauffts: misto de comédia e drama que trata de fé, comprometimento e amor incondicional ao mostrar o relacionamento entre dois homens, um cristão fanático e um ateu. A peça começou off-Broadway mas conseguiu ser “promovida” a um teatro maior quando ninguém menos que Elton John decidiu investir nela.

 (Molina, Redmayne, James e Linney)

 

REVIVALS:

“Fences”, de August Wilson: este é o primeiro revival do drama ganhador do Pulitzer, sobre um ex-jogador de beisebol (Denzel Washington, também indicado) que, nos anos 50, enfrenta preconceito racial, traições e as decepções da vida. Viola Davis (de “Dúvida”), que faz a esposa dele, foi indicada como melhor atriz, bem como o coadjuvante Stephen McKinley Henley.

“Lend Me a Tenor”, de Ken Ludwig: já montada no Brasil, a comédia dirigida por Stanley Tucci e com elenco estrelado (Anthony LaPaglia, Tony Shalhoub, Justin Bartha) mostra as confusões que surgem quando um astro da ópera é dado como morto às vésperas de uma estreia e um substituto se prepara. Jan Maxwell foi indicada como atriz coadjuvante (ela também concorre como melhor atriz por outra peça, “The Royal Family”).  

 

LaPaglia (acima), Bartha e Shalhoub (abaixo), Washington e Davis (direita)

Read Full Post »